Logo PESQUISA | PARCEIROS | PERGUNTAS & RESPOSTAS | ESTÁGIO | CONCURSOS

Bem Vindos ao Site da Etec Rubens de Faria e Souza


Cursos

Alunos

Professores

Secretaria

Dep. Pessoal

Outros Links

Redes Sociais

  • Siganos no TwitterSiganos no Twitter
  • Centro Paula e Souza

Email Coorporativo


GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

APRENDIZ PAULISTA

PARCERIA CISCO

Professores de Alimentos fazem capacitação em "Sistema de Tratamento de Água e Resíduos"

Os professores Armando e Regina, do curso Técnico de Alimentos, estiveram nos dias 13 e 14 de setembro, NA ETEC VASCO ANTÔNIO VENCHIARUTI - ETECVAV, em Jundiaí, para um curso de capacitação em sistema de tratamento e análise de água e resíduos, coordenado pela profª Denise Santos.

Na primeira parte do curso, a profª Joana Darc Felix de Sousa proferiu palestra sobre os problemas advindos da produção de couro a partir da pele de bovinos, traçando um panorama da problemática da contaminação de efluentes pelo cromo(VI) ou cromo hexa-valente, além de outros resíduos orgânicos e inorgânicos.

Tendo esta situação como ponto de partida, a professora Denise instigou aos participantes, a desenvolverem uma proposta de tratamento de efluentes com resíduos de metais pesados. O grupo de 40 participantes se dividiu em equipes de até 6 integrantes que, depois de alocados na sala de informática, se puseram a pesquisar e redigir uma proposta de tratamento de água contaminada por metais pesados.
Ao término da manhã, todos os grupos foram até o anfiteatro da escola e fizeram a apresentação oral ilustrando com slides de seus projetos.

No período da tarde, coube aos professores Ádria Alvares Nogueira e George Augusto Manzatto, ambos da ETECVAV, abordar a teoria e desenvolverem as práticas das análises de Oxigênio dissolvido (OD), Demanda Química de Oxigênio (DQO) e Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO), análises importantes e normalizadas pela CETESB, CONAMA e ANA, no ramo industrial e comercial. Estas análises estão relacionadas á eficiência do tratamento de efluentes industriais diretamente proporcionais á carga de resíduos inorgânicos e orgânicos a serem lançados em corpos d’água, como riachos, ribeirões, córregos, rios lagos e lagoas.


O professor Armando e Professora Regina entre os professores Serginho e Ádria da ETECVAV.


O professor George A. Manzato da ETECVAV entre os Professores Armando e Regina.

A determinação da Demanda Química de Oxigênio foi realizada utilizando-se tubetes em tamanho próprio com vedação adequada para evitar interferência do oxigênio atmosférico. O tubete contém soluções de reagentes em quantidade já pré-definidas para a realização das reações químicas aceleradas com o aquecimento em bloco digestor a 150°C por duas horas, havendo então o desenvolvimento de coloração de intensidade que será lida (medida) no espectrofotômetro.


O Bloco digestor para Demanda Química de Oxigênio.

Depois de decorrido duas horas a mistura é analisada diretamente em um espectrofotômetro específico e já adaptado para este tubete, não sendo necessária a transferência para uma cubeta de quartzo como em equipamentos comuns.


Espectrofotômetro capaz de realizar 150 determinações diferentes

Foi notório o trabalho que tiveram os professores que ministraram as aulas, em virtude da necessidade de entender que se trata de um método matemático para determinação da Demanda Bioquímica de Oxigênio e que para isto, é praticado fazer diluições diversas para se garantir resultados que possam ser considerados de credibilidade.


A Professora Ádria explicando sobre as características de cada frasco de diluição e do branco da análises

Depois de todas as reações que envolvem o processo, uma alíquota de 100 mL das diluições é analisada por iodometria titulando-se com tiossulfato de sódio.


Dissolução dos precipitados


Titulação da amostra com tiossulfato de sódio, usando amido (azul) como indicador

Depois de todas as reações que envolvem o processo, uma alíquota de 100 mL das diluições é analisada por iodometria titulando-se com tiossulfato de sódio.Os professores Armando e Regina voltaram entusiasmados com o aprendizado que pretendem adotar no curso Técnico de Alimentos, tendo em vista que a associação entre processamento de alimentos e geração de resíduos orgânicos é certa. E cabe aos mestres, como bons educadores, promoverem nas gerações atuais e futuras, uma cultura de ética quanto ao aspecto ambiental. Não para fugir re multas ou interdições, mas, para fazer o que é certo e assim garantir um, futuro ás próximas gerações.
O nosso muito obrigado á professora Denise por idealizar e organizar este evento, aos professores Ádria e George, por dividir conosco seus conhecimentos e experiências, além de compartilhar suas amizades.
Esperamos um regresso próximo para mais uma socialização do saber.

Um forte abraço a todos.

CIMA


Desenvolvido por Helio Canavesi Filho